Do Advertising Age

ryanlockeMotokuni Takaova, CEO da Airweave, patrocinadora de Ryan Lochte, afirmou que continuará apoiando o atleta, que é garoto-propaganda da marca desde dezembro do ano passado.

O executivo não comentou especificamente o comportamento de Lochte, mas disse, por meio de um e-mail, que respeita o desempenho atlético do nadador. “Contanto que ele seja um atleta respeitável, permanecerá embaixador da Airweave até o final de nosso contrato de parceria. Estamos focados em apoiar o time dos EUA, isso não irá mudar”, disse.

Lochte ficou sob os holofotes da mídia no mundo inteiro depois de ter dado um falso relato de assalto no domingo, 14. Na quinta-feira, 18, a polícia constatou que ele e os outros três atletas não foram roubados no posto de gasolina. Os nadadores teriam depredado um banheiro e, em seguida, impedidos de deixar o local pelos seguranças presentes.

A Airweave é parceira do Comitê Olímpico dos EUA e patrocinadora oficial das Olimpíadas de Tóquio em 2020. A companhia também patrocina o vôlei, a natação e o mergulho norte-americanos e ofereceu colchões de viagem a alguns atletas durante a Rio 2016. Ainda não se sabe quando o contrato com o Comitê expira.

A Ralph Lauren, outra patrocinadora de Lochte e parceirta do Comitê Olímpico dos EUA, afirmou estar acompanhando o caso de perto com a entidade. Lochte também é embaixador da Speedo, cuja porta-voz informou que a marca está a par dos acontecimentos, porém tem uma política de não comentar investigações legais em curso.

Gunnar, Bentz e Jack Conger, colegas do atleta, foram impedidos pela polícia de embarcar no avião na quarta-feira, 17, no Aeroporto Internacional Tom Jobim. A Justiça havia, momentos antes, mandado apreender o passaporte de ambos para que prestassem depoimento sobre o ocorrido. Lochte, 12 vezes medalhista e ganhador de ouro na Rio 2016, já retornou aos EUA.

Airweave embaixador escândalo Jogos Olímpicos natação patrocinador Ralph Lauren Rio 2016 Ryan Lochte Speedo