Por Teresa Levin

Abel Gomes é o diretor geral artístico da cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e foi o responsável por montar um time de criativos com  Andrucha Waddinton, Daniela Thomas e Fernando Meirelles para participar do projeto. Através de sua empresa, SRCOM, ele ganhou a concorrência para desenvolver as cerimônias das Olimpíadas e das Paralimpíadas ao se unir à italiana Filmmaster Group na Cerimônias Cariocas e vencer a concorrência mundial para ficar a frente do projeto nos dois eventos mundiais. Com uma carreira de 30 anos na área de criação e direção de grandes espetáculos, ele traz em seu currículo as oito últimas edições do Reveillon de Copacabana, a Jornada Mundial da Juventude no Rio, especiais de Roberto Carlos, além de projetos cenográficos e de direção da visita do Papa João Paulo II ao Brasil (1982/1997), a Árvore de Natal da Bradesco Seguros (1996 a 2010) e Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, entre outros projetos marcantes. Mas, apesar de uma vida recheada de grandes trabalhos, ele confessa que não há evento que prepare para o desafio de dirigir o que será visto esta noite por uma audiência global.

abel

Confira abaixo trechos da entrevista:

Meio & Mensagem – O que o público pode esperar na cerimônia de abertura?

Abel – Essa é uma cerimônia que chega com um olhar voltado para o futuro. Queremos dialogar com o planeta inteiro através do convívio com as diferenças para além das fronteiras, o esgotamento dos recursos naturais, a união entre povos e a paz, que é um dos pilares de toda celebração olímpica. O Brasil é um país mundialmente conhecido pela exuberância natural. É esse o toque brasileiro que vamos inserir na cerimônia. Mostrar que somos um país alegre e receptivo, que gosta de receber visitantes e mostrar para o mundo o que temos de melhor.

M&M – Qual a estrutura montada pela SRCOM para desenvolver um projeto tão grandioso?

Abel – Estamos nos preparando para esse momento desde 2011, quando começamos o processo de concorrência. Nos juntamos a holding italiana Filmmaster Group, que já tinha experiência com eventos desta natureza, como a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Turim. O nosso time foi se estruturando ao longo dos anos, agregando os melhores profissionais do mercado nesse projeto. Esse time se tornou uma família com mais de 500 pessoas, de 20 diferentes nacionalidades, que estão trabalhando unidas, com muito amor por essas cerimônias.

M&M – Quais foram os principais desafios na elaboração da cerimônia de abertura?

Abel – Trocamos a dependência tecnológica pela inventividade. A nossa equipe criativa –  Fernando Meirelles, Daniela Thomas e Andrucha Waddington – fez um trabalho excepcional, pensando em exaltar a riqueza da cultura popular brasileira, da garra e da paixão de milhares de voluntários para pensar em uma grande celebração. É pautado pela criatividade e pensado para surpreender o público como um espetáculo teatral. Terá uma narrativa estruturada, com momentos de clímax, surpresas e outros recursos do teatro grego.

M&M – Como é para você, que já esteve a frente de tantos projetos grandiosos como o Reveillon de Copacabana, comandar um evento com o alcance da abertura dos Jogos Olímpicos? Dá um “frio na barriga” mesmo depois de tanta experiência?

Abel – Claro que todos esses projetos grandiosos que realizamos trouxeram uma bagagem de experiência para disputar a concorrência e pensar nesse projeto. Mas nada se compara a uma abertura olímpica que vai ser assistida por mais de três bilhões de pessoas. Não tem evento que nos prepare para esse desafio, só o amor pelo projeto e o trabalho em equipe que construímos ao longo desses anos. É a primeira vez que os olhos do planeta se voltam para o Rio e para o Brasil, o maior show case já apresentado dessa cidade maravilhosa. É uma grande responsabilidade.

M&M – A SRCOM também fará quais outras cerimônias na Rio 2016?

Abel – Vamos realizar através da Cerimônias Cariocas e junto com a Filmmaster Group, a festa de encerramento olímpico, no dia 21 de agosto, assim como a cerimônia de abertura paralímpica, no dia 7 de setembro e encerramento paralímpico, no dia 18 do mesmo mês.

Abel Gomes abertura Andrucha Waddington Daniella Thomas Fernando Meirelles Filmmaster Group Rio 2016 SRCOM